Scroll Top

Uncategorized

Como Viver Sem Stress

Como Viver Sem Stress

vivo estressadoEstamos vivendo num mundo efervescente, agitado, acelerado.

Modificado, praticamente a cada dia, pelas novidades tecnológicas.

Atropelado pela pressa do cumprimento das metas das empresas.

Exacerbado pelo afã do crescimento econômico a qualquer custo.

Muitas vezes você se sente como carta fora do baralho.

Ou, como dizia alguém criado no interior – sou a quinta roda dessa “carroça” desenfreada do progresso.

 Tá estressado?  Vá pescar!

 

Se você não se atualiza na sua profissão é massacrado pela concorrência.

E, quando você pensa que está à frente da maioria, chegam outros mais rápidos que você.

Você dá um passo gigante para as suas forças e para o seu conhecimento.

Mas conhece, em seguida, pessoas que já deram esse passo.

E que estão dando outros muito maiores que você.

Me diga uma coisa – Você não se sente, por vezes, pequeno?

Ou até mesmo insignificante diante de tudo isso?

– Estressado… é assim que me sinto, ES-TRE-SSA-DOOOOO!

Eu sei que você tem vontade de gritar qualquer coisa.

 

No seu emprego, a cobrança pela produtividade é grande.

E o seu chefe, por lhe cobrar metas cada vez mais agressivas, ganha muito mais que você.

Mas fica no escritório, ao telefone, manipulando planilhas excel.

No ar condicionado.

Enquanto você rala e viaja para atender clientes…

Ou, enquanto você trabalha dobrado para ganhar algumas horas extras…

Para ter direito a que?  A um termo muito bonito: Meritocracia!

Mas, no final do mês, seus ganhos são, na maioria das vezes, 50% dos ganhos do seu chefe.

E, olha lá se chega a tudo isso!  Mas ele deu um duro danado, não deu?

Em cima de você e dos seus colegas… isso deu.

 

E os bônus por cumprimento das metas?

Que bom se você pudesse cumprir essas metas mensais, trimestrais, anuais, não acha?

Mas as empresas as aumentam todos os meses.

E, se você não se sente animado, tem que ralar mais ainda….

Senão… o que o seu chefe vai dizer?  O que?  O que?

– Olha, você é um felizardo… Tá cheio de gente querendo trabalhar nesta empresa.

 

Olha aqui uma coisa.  Eu vivi esse ambiente de (des)motivação por anos.

É claro que as empresas dão um nome especial.

Chamam essas mudanças repentinas de metas, de NOVOS DESAFIOS.

E inventam premiações “espetaculares” para os 3 primeiros que cumprirem esses desafios.

– Um cruzeiro de 5 dias…

– IPad….

– Cartão de Compras de R$500,00

 

E o que acontece?

Você se esforça, rala ainda mais, dá tudo de si, quebra seus próprios records…

Chega todo santo dia exausto em casa.

Visita mais clientes que os seus colegas.

Fecha contratos antecipados.

Até aquele cliente que não queria nada neste início de ano…FECHA!

Um stress!  Mas fecha, Graças a Deus.  Mas e o stress?

 

Deixa pra lá.  No final do trimestre, vem os resultados da “premiação”.

Você ficou em…primeiro lugar?  segundo?  terceiro? quase!  Se não fosse esse quase…

Você ficou em quarto lugar!  E o que você diz entâo?  Hã?

– Não é possível!   Não me conformo!  

… Se, pelo menos, tivesse ganho o bendito Cartão de Compras de R$500,00…

Já dava uma pequena aliviada no orçamento, uma bela compra no supermercado.

Ou, quem sabe, uma esticada para um hotel da redondeza com a esposa.

Uma exagerada com a família naquela churrascaria cara!

 

Nada disso!  A vida continua na mesma balada.  No mesmo ritmo.

– Mesmo ritmo, não!  Acelera, força a barra, estamos no início do ano.

Temos que fechar a meta deste trimestre.  Temos que ir garantindo já a PLR do ano…

Gente, bota a sola do sapato pra gastar.

E cuidado com a quilometragem, temos que cuidar das despesas nesta reta final….

É isso que “recomenda” o chefe.  Ou não é assim?

 

E o final de mais um ano… 2013 passou, acabou!

Seu Natal foi meio “magro”… Presentes mais baratos e olha lá!

Em vez do tradicional peru, caro pra dedéu, que tal?  Experimentou um frangão daqueles que já vem temperado!

Daqueles que vem numa embalagem de dar água na boca.

Daqueles que, depois de assado, vira um franguelo….

Não é possível, parecia tão grande, gente!

É que a indústria pode temperar com uma salmoura de até 25% do tal frangão… kkkk!

Depois tem a tal da gordura embutida por baixo da pele…

A ossada…

 

E não é que deixaram lá dentro um saquinho de miúdos?

Tinha fígado, coração, moela, pescoço e até miúdos de gelo…

No “frigir dos ovos” o que pode ser aproveitado mesmo foram aí uns 60%…

E olha lá se deu tudo isso!

Sobrou o que?

As peles que ninguém come, porque é puro colesterol.

A ossada…

O pescoço que fazia parte dos miúdos.

– Gente, os miúdos viraram miúdos mesmo, diminuíram pra caramba!!!

 

Bem. Mas, voltando ao nosso mundo desenfreado…

Começou o Novo Ano – 2014 já está no ar!

… você recebeu três cartões de Boas Festas:  dos seus pais, dos sogros, e outro daquele amigo distante, que faz anos que não vê.

– Querida, o Fulano lembrou da gente?  Nossa, como o tempo passou rápido…

Dos demais, agora é email com arvorezinhas de Natal piscando Boas Festas…

Ou o “antigo”, mas quase insubstituível, Feliz Natal e Próspero Ano Novo… que algumas lojas enviam.

Ou aquele cartão com o Papai Noel dando um sonoro… Oh!  Oh! Oh!  Feliz Natal!

Foi isso que você recebeu?  

Pois é, você é um felizardo, tem gente que nem isso recebeu. 

 

Mas… vamos em frente.

É hora de fazer planos para este ano novo.

E eu lhe digo – Faça Planos. Não fique sem um plano de vida.

 

– Bem. Vamos esperar as novas metas que a empresa vai nos dar.

E você pensa assim:

– Provavelmente eles não vão exagerar nesse início de ano.

Afinal, tenho muitos clientes em férias coletivas…

Todo mundo sabe, o Brasil só volta a trabalhar “depois do carnaval”.

Ih!  esse ano tem Copa Do Mundo… e no Brasil…

Imagine!  As coisas vão andar mais lentamente. Será?

Isso é o que você pensa.  As empresas querem crescer, crescer e crescer. 

Não interessa a Copa.

Os acionistas querem dividendos, e mais dividendos e dividendos crescentes.

 

E quando as metas chegam, o chefe faz aquela reunião de retorno às atividades.

– Gente. este ano vai ser o melhor ano das nossas vidas….

Nossa empresa projetou um crescimento de 20% para este ano…

Todos vamos ganhar com isso…

As metas são um constante desafio para os vencedores (vendedores…)

Nossa filial, que é a que mais cresce no Brasil, foi premiada com uma meta agressiva.

Vamos crescer, não 20%, mas 30%.

É claro que todos vão ganhar mais com isso.

Porque este anos vamos trabalhar, não com um desafio de metas apenas, mas com três desafios…

 

E lá vem coisa nova, que ninguém pensou nisso antes.

É que, lá na matriz, tem o pessoal do Planejamento de Vendas.

Eles “conhecem” o mercado todo…

Eles “sabem” fazer projeções de vendas como ninguém.

São eles que “sabem planejar” o crescimento de qualquer empresa.

Basta o diretor comercial dizer qual o percentual de crescimento desejado para o Ano Novo.

Simples assim!  Depois se distribuem as metas por região, por filial, por vendedor.

Pronto!  Agora é mais simples ainda.

Basta os abnegados vendedores venderem o que foi planejado.

E, está planejado e cumprido o crescimento prometido aos acionistas.

 

E, quando acaba a reunião desafiadora, você olha para seu amigo, ele olha pra você…

O que vocês dizem, quase ao mesmo tempo?

– Começamos bem, heim ?   Que stress, cara? 

  

E assim a sua vida continua…

Dia após dia. Meta após meta. Desafio após desafio. Stress após stress…

Hard Work…. como dizem os americanos.

 

Meu amigo, minha amiga.

Quero dizer a vocês que eu vivi esse ambiente, essas situações, esses stress por anos da minha vida.

Trabalhei em ótimas empresas, algumas multinacionais americanas.

Tinha todos os benefícios das grandes empresas.

Tinha direito a férias todos os anos…

… mas era sempre em épocas para que a empresa não fosse prejudicada.

Eu tinha pensando em sair disso faz muito tempo.

Mas, sabe, aquela pseudo “segurança” que você sente em ser empregado!

Isso tira de você o senso de empreendedorismo.

Tira a vontade de arriscar, de tentar outras oportunidades.

Tira a chance de novos começos.

 

 

Até que…. no final do terceiro trimestre de 2013, meu gerente me chamou para uma reunião.

Pensei que era uma das reuniões costumeiras, sobre metas, sobre novos produtos, etc.

Ele começou a conversa me elogiando muito e desconfiei.

Desconfiei, porque esse gerente não era muito dado a “rasgar a seda” comigo.

E, cinco minutos depois, ele comunicou que a empresa decidiu me demitir.

Não precisava mais dos meus serviços.

Embora me considerasse excelente profissional, que “vestia a camisa” da empresa, que isso e mais aquilo….

 

Tudo Balela!

Reestruturação da empresa… Alguém tinha de ser demitido.

E, como eu era o mais velho (em idade…), fui o escolhido.

Na hora levei um choque.

A gente é humano.

A gente fica chocado, porque não espera.

Ainda mais quando você está à frente de uma carteira de Grandes Contas…

Sem ter uma só reclamação de atendimento.

Ao contrário, só tendo elogios.

 

Mas foi assim…

Já entreguei, na hora, notebook, celular, documentos, folders e outros pertences que eram da empresa.

E saí pela porta da frente…. até porque nem havia outra…rsrsrs!

Quando estava descendo o elevador senti como que um peso saindo das minhas costas.

Senti-me livre, liberto, leve, solto!

E comecei a me alegrar e agradecer a Deus – Graças a Deus! 

Afinal, se não tivesse acontecido a demissão, eu não teria me demitido voluntariamente.

Por causa da bendita pseudo “segurança” de ser empregado.

 

Na realidade, eu estava há algum tempo infeliz com meu emprego.

Tinha de viajar. quase que diariamente, para atender a carteira de clientes.

A empresa estava passando por mudanças e reorganizações que deixavam muitas lacunas no atendimento.

Havia clientes insatisfeitos com essas mudanças.

E eu ficava insatisfeito junto com os clientes.

 

Então, como diria Vinicius de Morais – foi bom enquanto durou – mas chega…

Quando cheguei em casa e contei para a minha esposa, ela me disse o seguinte:

– Acho que foi melhor assim. Você andava tão estressado ultimamente… que eu não te reconhecia mais.

Tão estressado!

Sabe, a gente não percebe quando anda estressado.

Mas nossa família percebe.

Nossa esposa… ou marido… filhos, netos, eles percebem.

 

Eu me estressava desnecessariamente com coisas que não podia consertar.

A empresa é que tinha de arrumar essas coisas.

Acontece que, quando você se identifica com a dor das pessoas (no caso, a dor dos meus clientes)…

Você quer ver situações resolvidas e nem sempre as soluções vem na rapidez desejada.

E quando isso acontece, o stress vem a cavalo sobre você que quer ver tudo resolvido.

 

É por isso que resolvi compartilhar com você algo que eu vivi…

Acredito que a minha experiência pode ajudar outras pessoas a sair desse laço do stress.

Sabe, o stress é como um laço que prende você a situações não resolvidas….

Ou mal resolvidas… Ou que você não consegue resolver.

O stress é humilhante, é horrível, desgastante, gera insônia e cansaço.

Pior de tudo, se ao menos desse algum resultado positivo para ajudar a resolver algo…

 

Mas não!  O stress só prejudica a pessoa.

A pessoa que deixa ele se instalar na sua mente e nas suas emoções.

Assim, o prejudicado é a própria pessoa que se estressa.

O prejuízo não é da empresa, o prejuízo é seu…

Afinal, quem se estressou foi você.

 

Por isso, quero lhe dar um presente.

Você, que teve a paciência de ler este post até aqui….

… e ainda não ficou estressado com esse papo…

Olha, você merece um presente.

Está aqui!  Pode fazer download do meu e-book … é gratuito!

Divirta-se, descubra a pessoa alegre que está dentro de você e bote pra fora.

Sobre o autor | Website

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.